quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Uber - uma aventura na praça que vai ferrar todo mundo


O UBER é uma aventuram com cheiro de pirâmide, que veio para minar o sistema de táxis das grandes cidades com sua sua política tarifária de dumpping, que começa a fazer água. NÃO SE PODE NEM PENSAR EM REGULAMENTAR O UBER. ISSO NÃO EXISTE. O sistema de !carros de aluguel" é um só há 100 anos. O que nos cabe é fazer as correções necessárias. 

É bom deixar claro que quem ARBITRA o valor de uma corrida não é o taxista, mas as prefeituras. No Rio, as atualizações são sempre inferiores ao concedido às empresas de ônibus e ao pedágio da Linha Amarela - O MAIS CARO PEDÁGIO DO MUNDO.
Cabe também lembrar que NÃO É ATRIBUIÇÃO DO JUDICIÁRIO FAZER LEIS, MAS SIM FAZER CUMPRIR AS LEIS APROVADAS PELO LEGISLATIVO SEGUINDO OS PARÂMETROS CONSTITUCIONAIS.
Quer saber a verdade sobre o UBER? Por hoje, leia a matéria sobre os prejuízos astronômicos que a multinacional já registra este ano.
Essa conta vai sobrar para o monte de iludidos que se alistaram nessa ilusão.
Para enfrentar esse grupo poderoso, só com conhecimento de causa e disposição de resistir a qualquer proposta corruptora.

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Táxis sob ameaça de colapso

CLIQUE NA FOTO PARA VER O VÍDEO


Os taxistas do Rio de Janeiro e de outras praças estão à beira do colapso com o aparecimento de um serviço paralelo, que ganha terreno com vasta propaganda e decisão judicial de primeira instância, de 5 de abril de 2016, baseada no artigo 4º, inciso 8 da Lei 12.587/12 - Lei de Mobilidade Urbana.
Em sua sentença, a juíza Ana Cecília Gomes de Almeida, da 6ª Vara da Fazenda, levou em consideração uma "diferença": o táxi pode pegar passageiro na rua; já o carro particular só pelo aplicativo. “A diferença entre as duas modalidades é que o transporte público individual é aberto ao público. Em outros termos, qualquer cidadão pode pegar um táxi na rua, o que não acontece com o Uber, que depende exclusivamente da plataforma tecnológica".

Em sendo assim, o Uber se sentiu à vontade para prestar serviços de táxi sem qualquer fiscalização, sem vistorias, sem nenhuma outra exigência de um SERVIÇO PÚBLICO, um absurdo que atinge não apenas os profissionais, mas também os próprios passageiros, dependentes exclusivamente das normas privadas do aplicativo.

Isso aconteceu por uma razão clara: a nossa Lei 3123/00, a única que regula os serviços com a preponderância do motorista que realmente trabalha, foi sabotada a partir do ano 2005, depois da histórica decisão do Supremo Tribunal Federal de março de 2004. Embora eu tivesse tido 5 mil votos a maios do que no mandato anterior, fiquei como primeiro suplente porque o PDT só fez 3 vereadores.  Com isso, Cesar Maia, adversário da Lei, com a ajuda de alguns vereadores que se dizem amigos dos taxistas, aprovou a Lei 4000/05, reduzindo a 3123 a um único artigo, aquele consolidado por decisão do STF.

A bagunça e a exploração dos diaristas foram preservadas. A compra e venda ilegal de autonomia ganharam mais força com um decreto do prefeito Eduardo Paes, que deu aos beneficiários da minha Lei o mesmo direito (?) de vender as licenças que haviam ganho a custo zero.

E o número de diaristas novos chegou a 21 mil, conforme publicação no Diário Oficial do Município, em 2012, quando os profissionais foram iludidos pela promessa eleitoreira de que a Prefeitura liberaria um monte de autonomias. No final das contas, só apareceram 142 licenças cassadas.

Por coincidência, agora neste novo ano eleitoral, a Prefeitura está prometendo liberar para auxiliares mais 476 autonomias, num processo aberto em 10 de agosto que vai até 26 de setembro.

Isso tudo criou o ambiente propício para que carros piratas passassem a fazer serviços de táxi, mesmo antes do aplicativo. Com 70% dos amarelinhos operados por diaristas desesperados e uma cidade cada vez mais inviável para carros particulares, sem terem onde estacionar, o Uber pegou o verdadeiro filé mignon da praça. Não se trata de um "piratinha" qualquer, mas de uma poderosa multinacional que se instalou em mais de 200 grandes cidades de 6 continentes, em algumas das quais os táxis já sumiram.

Insisto em que a questão é estrutural. É preciso uma LEI DEFINITIVA para garantir o direito dos PROFISSIONAIS que realmente trabalham. É preciso agir com competência legislativa, firmeza e determinação, sem esse jogo baixo de faz de conta, que está levando a praça do Rio de Janeiro a um trágico retrocesso. É preciso dar um basta aos especuladores e aos exploradores dos diaristas.

Tenho esperança de que os taxistas saberão escolher pela avaliação de cada um dos candidatos. Aos 73 anos, me considero em condições de ajudar a livrar esses valiosos profissionais da incerteza trágica e da bancarrota. Já provei que não sou de conversa fiada, como esses outros aí.

Por isso peço seu voto e seu apoio. Pensando bem, você saberá escolher.
PEDRO PORFÍRIO  - PDT – 12123
porfirio@pedroporfirio.com – (21) 999822545
www.correiodotaxista.com
https://www.facebook.com/porfiriolivre 

sexta-feira, 29 de julho de 2016

Do conto das autonomias ao uber

Preste atenção: as olimpíadas vão dar uma sobreviva aos táxis. Depois, sei não. E não é só o Uber e essa estranhíssima justiça brasileira. Tá todo mundo tirando sua casquinha.

Eu não vi até hoje nenhum comentário sobre o fim da seletiva da Avenida Brasil, que foi aberta aos taxistas em 2004 graças ao meu empenho junto ao prefeito César Maia.

A política de transportes atual é moldada pelos interesses da meia dúzia de empresários de ônibus.

Sinceramente, para os passageiros de ônibus a emenda vai sair pior do que o soneto. O desenho da Brasil não comporta tanta extravagância.

Mas os miquinhos amestrados pela máquina estão mais interessados em tirar proveito e levarem o  seu, transformando suas vidas da noite para o dia. Esses caras ainda têm coragem de falar mal de mim por que fiz a única Lei que mexeu com o monopólio e com os especuladores. Que ainda hoje arrancam o couro dos diaristas.

O uber é o supra sumo do desrespeito aos direitos de toda uma profissão quase centenária.  Na prática mandou toda a legislação pro brejo. E se projetou para entrar na área por todos os flancos.  Tem taxista hoje que não faz nem o do combustível.

Mas por que chegamos a tanto? Por que a turma da pesada conseguiu me tirar de campo. Depois da Lei 3123 eu nunca mais ganhei uma eleição. E ainda houve quem conseguisse me tirar dois anos de mandato por liminar.  Tudo combinado entre os amigos dos exploradores dos diaristas. Fiquei mal na fita, mas calar-me isso ninguém vai conseguir.



Resultado: quando finalmente ganhamos no Supremo Tribunal Federal, em 2004, existiam 9 mil diaristas.  Hoje, embora todos tenham se beneficiado da minha Lei, contam-se em 21 mil os explorados.

Sabe o que está acontecendo agora? MUITOS TROCARAM O PAGAMENTO DA DIÁRIA PELO UBER, que também leva o profissional à lona.  Foi a porta que se abriu para eles, com cobertura internacional e tudo o mais que você está vendo.

Os mesmos enganadores estão prometendo mundos e fundos nesta nova campanha. Igual ao que aconteceu em 2012. Lembra da lista dos diaristas que ganhariam autonomia publicada no Diário Oficial? Quanta sacanagem e quanta gente iludida;


Diaristas, ex-diaristas ou não já levaram muitas voltas. Vão continuar caindo no conto das autonomias? Ou vão praticar haraquiri mais uma vez? 

terça-feira, 5 de maio de 2015

Aplicativo de volta

Justiça derruba liminar que proibia aplicativo Uber no Brasil

Juiz tinha acatado pedido de taxistas sob pena de multa de R$ 100 mil.
Aplicativo conecta motoristas a pessoas em busca de transporte.

Do G1 São Paulo
Imagem do aplicativo Uber disponível para ser baixado em smartphones (Foto: Uber/Reprodução)Imagem do aplicativo Uber disponível para ser
baixado em smartphones (Foto: Uber/Reprodução)
A Justiça de São Paulo derrubou, nesta segunda-feira (4), liminar que determinava a suspensão das atividades do aplicativo Uber no Brasil sob pena de multa diária de R$ 100 mil. A decisão cabe recurso. Dessa forma, o serviço volta a ser regular.
O aplicativo conecta motoristas autônomos e usuários em busca de transporte.
A juíza Fernanda Gomes Camacho, da 19ª Vara Cível, reexaminou o pedido de liminar e decidiu pela manutenção do Uber.
Para ela, a ação civil pública em si não pode determinar se o aplicativo é regular ou irregular. “Caberia ao sindicato de forma fundada representar ao Ministério Público para que este, se entender pertinente, instaure o competente inquérito civil para apuração da irregularidade do aplicativo.”
A liminar em favor do sindicato de taxistas do estado (Sintetaxi-SP) foi proferida na semana passada pelo juiz Roberto Luiz Corcioli Filho, da 12ª Vara Cível. Ela determinava também que Google, Apple, Microsoft e Samsung deixassem de fornecer o aplicativo em suas lojas online e que suspendessem "remotamente os aplicativos Uber dos usuários que já o possuam instalado em seus aparelhos celulares".
Protestos
Taxistas de várias cidades do país fizeram uma grande manifestação no início de abril contra o Uber. Na ocasião, a empresa norte-americana afirmou que "os brasileiros devem ter assegurado seu direito de escolha para se movimentar pelas cidades".
Por meio de nota, o Uber informou que "é uma empresa de tecnologia que conecta motoristas parceiros particulares a usuários. Reforçamos publicamente nosso compromisso em oferecer aos paulistas uma alternativa segura e confiável de mobilidade urbana". 
"As inovações tecnológicas trouxeram inúmeras oportunidades para as pessoas e as cidades. É por meio da tecnologia que as cidades vão se tornar cada vez melhores e mais acessíveis para o cidadão, que precisa ter seu direito fundamental de escolha assegurado", diz a nota.

quarta-feira, 29 de abril de 2015

Justiça de SP determina suspensão do aplicativo Uber no Brasil

A Justiça de São Paulo determinou na noite desta terça-feira (28) que o aplicativo de motoristas profissionais Uber interrompa suas atividades no país sob pena de multa de R$ 100 mil por dia, em um processo movido pelo Simtetaxi (Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores nas Empresas de Táxi no Estado de São Paulo).
A companhia americana terá três dias após a notificação oficial –que deve acontecer hoje, segundo a advogada do caso, Ivana Có Galdino Crivelli– para cessar seus serviços, espécie de táxi de luxo pedido exclusivamente pelo celular oferecido no país em Belo Horizonte, Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo.
Contatada, a Uber disse nesta quarta (29) que ainda não havia sido notificada da decisão. "Reforçamos publicamente nosso compromisso em oferecer aos paulistas uma alternativa segura e confiável de mobilidade urbana", escreveu em nota.
A empresa, de capital fechado e considerada por parte da imprensa especializada em tecnologia "a start-up de maior valor do mundo", enfrentou processos semelhantes e chegou a ser banida em países como Alemanha e Espanha.
A determinação (leia ), de autoria do juiz Roberto Luiz Corcioli Filho, da 12ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, determina ainda que Google, Apple, Microsoft e Samsung deixem de oferecer o app da empresa aos usuários de seus serviços.
Só o Uber está sujeito à multa a princípio, segundo Crivelli. A autuação será limitada ao eventual teto de R$ 5 milhões.
Além disso, a liminar solicita que tais empresas apaguem remotamente dos aparelhos de dono brasileiro o aplicativo, caso ele já esteja instalado.
No início deste mês, taxistas de algumas cidades do país fizerammanifestações em conjunto contra o app.

quarta-feira, 15 de abril de 2015

Não recorra a bodes expiatórios

Se você não consegue enfrentar seus problemas econômicos, sociais, existenciais e afetivos não procure bodes expiatórios. Dê um tempo e descubra a zona de lucidez que ainda existe em seu cérebro. 

Os problemas econômicos são como um câncer, dependem da fase em que forem diagnosticados. Os sociais são como um diabetes, a primeira providência é uma dieta saudável. Os existenciais são como a AIDS, só um coquetel de remédios ajuda a minimizar seu sofrimento.  Já os afetivos são como a esquizofrenia, o mais indicado é procurar um especialista imediatamente por que, de fato, não há remédio que cure.  

sábado, 11 de abril de 2015

O preço da ponte

video

A cura do câncer à mão

Como se sabe, a cura do câncer depende do estágio em que ele é descoberto. Com o sensor, seria possível vencê-lo em  quase todos os casos.
A cientista brasiliense Priscila Kosaka,desenvolveu uma técnica menos invasiva para detecção de câncer (Foto: Priscila Kosaka/Arquivo Pessoa

Membro do Instituto de Microelectrónica de Madrid há seis anos, a cientista brasiliense Priscila Kosaka, de 35 anos, desenvolveu uma técnica para detecção de câncer que dispensa biópsias e que consegue identificar a doença antes mesmo do aparecimento dos sintomas. O resultado vem do uso de um nanosensor com sensibilidade 10 mihões de vezes maior que a dos métodos dos exames tradicionais em amostras de sangue dos pacientes. A previsão é de que ele esteja no mercado em até dez anos e também seja utilizado no combate a hepatites e Alzheimer.

A pesquisadora explica que o sensor é como um "trampolim muito pequenininho” com anticorpos na superfície. Quando em contato com uma amostra de sangue de uma pessoa com câncer, ele “captura” a partícula diferente e acaba ficando mais pesado. Outras estruturas relacionadas à técnica também fazem com que haja uma mudança de cor das partículas, indicando que o paciente que teve o fluido coletado tem um tumor maligno. A taxa de erro, segundo Priscila, é de 2 a cada 10 mil casos.
“Atualmente não existe nenhuma técnica que permita a detecção de moléculas que estão em concentrações muito baixas e que coexistam com mais de 10 mil espécies de proteínas numa única bioamostra”, afirma. “Atualmente nenhuma técnica é capaz de encontrar a ‘agulha no palheiro’. Portanto, existe uma necessidade de tecnologias capazes de registrar moléculas individuais na presença de outras moléculas muito mais abundantes. E o nanosensor que desenvolvi De acordo com a cientista, novos estudos podem fazer com que o nanosensor também seja usado para identificar a que tipo específico pertenceria uma amostra cancerígena (gastrointestinal ou de pâncreas, por exemplo). Dados da Organização Mundial da Saúde estimam 21,4 milhões de novos casos de câncer em todo o planeta em 2030, com 13,2 milhões de mortes. Há mais de cem tipos da doença, e os mais comuns são de próstata, mama, cólon, reto e pulmão.
Entre os benefícios da técnica desenvolvida por Priscila está o fato de que a identificação pode ocorrer dispensando a biópsia e por meio dos exames rotineiros de check-up. A cientista conta que ainda é necessário que o sensor passe por novas fases de teste. Além disso, ela precisará de financiamento para os estudos. Um dos objetivos da pesquisadora é que o equipamento tenha um custo acessível e assim possa ser adotado amplamente pela população.
Leia mais CLICANDO  AQUI

Uma questão de oportunidade


terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Mais vida para o que der e vier

Médico vê em ressonância magnética tumor necrosado e me injeta ânimo para retomar a luta com a paixão de sempre

Os meus inimigos internos sofreram mais um golpe, embora não se possa dizer que eles não voltem a atacar no futuro de forma insidiosa, saliência de seus maus hábitos. Como é do conhecimento de todos, conforme minha opção pela transparência sem limites ou exceções, desde setembro de 2013 venho protagonizando uma luta indômita contra um CHC, distorção agressiva, tendo o meu fígado como alvo do conflito.

Mas pelo jeito vou poder festejar minha 72ª primavera, quando março vier, como naquele dia em que, meninote, descobri meus pendores pelo inconformismo diante da injustiça e da vilania.

São os fatos e contra os fatos não há contestação.  Às seis da tarde desta segunda-feira acinzelada, cheguei da "consulta de revisão" com o Dr. Feliciano Azevedo, responsável pelo tratamento do meu câncer hepático pelo método da radiologia intervencionista.

Fui levar o laudo da ressonância magnética do dia 6 de janeiro, assinada pelo Dr. Antônio Eiras, realizada um mês depois da quimioembolização do dia 2 de dezembro – o terceiro combate capitaneado pelo Dr. Feliciano (não confundir com aquele deputado homofóbico).  E SEU DIAGNÓSTICO NÃO PODERIA SER MAIS ANIMADOR.

Com a sensação de mais uma vitória na sua brilhante carreira científica, o professor da UFRJ e introdutor no Rio de Janeiro dessa tecnologia pouco invasiva não escondia a alegria juvenil de um coroa de 62 anos. "É isso mesmo, neste instante não há mais rastros dos tumores".

E enfatizou o laudo do Dr. Antônio Eiras: "A área pós-procedimento localizada em projeção do segmento V apresenta sinal um pouco mais heterogêneo no atual exame, porém mantém-se AVASCULAR, CONFIGURANDO NECROSE PÓS-PROCEDIMENTO sem evidência de tumor residual viável interno".

Está claro para todos nós da família que não estamos diante de favas contadas. Por rotina, em maio, me submeterei a uma nova ressonância (já estou familiarizado com essa máquina e sei que esse acompanhamento será por pelo menos 5 anos).

Mais uma coisa é certa: depois dessa, estou voltando à plena normalidade de minha inquietação atávica e estarei na linha de frente de onde precisarem de mim, nas plagas desse país de encantos e desencantos,  ou aqui mesmo, no meu mundo domiciliar à beira da lagoa da Tijuca.

Pelo que conversamos, agora não tem sentido abster-me de fazer meus gols nas peladas dos veteranos, às terças-feiras na Península. Portando, os craques maiores de 40 que me esperem. Estarei na banheira, como sempre durante os últimos 6 anos. E vou esperar receber bolas redondas, como nos bons tempos.

O plus dessa nova consulta foi que agora ele me recebeu no seu novo consultório de um complexo hospitalar ainda pouco conhecido, na Rua Jorge Curi, entrada pela Av. Airton Senna, colado ao Bosque da Barra. Na outras vezes, tinha de ir até o morro da João Borges, na Gávea onde fica a Casa de Saúde São Vicente. Além de perto, parando na própria rua, a patroa não precisou pagar estacionamento, uma despesa capaz de agravar nossa doença nesse ambiente de impune venda casada dos pátios dos hospitais.

sábado, 10 de janeiro de 2015

"Rehumanizar" a natureza humana

Restabelecer nossos elos, eis um sonho possível
Nos tempos idos, a vizinhança era a própria família. A grande cidade com sua  engenharia de espaços foi desfigurando essa relação e afastando uns dos outros. O que era aconchego foi resvalando para o seu contrário. Isso não vai acabar bem.
Tentar resgatar a ideia de que o vizinho é o seu amigo mais próximo pode ser uma grande contribuição deste blog.

Daí a reflexão que se segue. Clique na imagem e conheça nossa preocupação sobre a nossa natureza humana. Tudo para que cada um  liberte o ser humano que ainda há em nós.

terça-feira, 16 de dezembro de 2014